Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020
Telefone: (54) 3383.3400
Whatsapp: (54) 99988.1290
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Parcialmente nublado
24°
11°
13°C
Espumoso/RS
Parcialmente nublado
No ar: Giro da Notícia
Ao Vivo: Giro da Notícia
Notícias

Após correções, soja volta e subir em Chicago nesta 4ª focando clima e relações China x EUA

Após correções, soja volta e subir em Chicago nesta 4ª focando clima e relações China x EUA
16.09.2020 11h31  /  Postado por: adrianolima

A correção durou pouco e os preços da soja voltaram a subir na Bolsa de Chicago nesta quarta-feira (16). Os futuros da oleaginosa, por volta de 8h10 (horário de Brasília), as cotações subiam entre 4,50 e 5,50 pontos nos principais contratos, levando o janeiro/21 a US$ 10,01 e o maio a US$ 10,03 por bushel. Os atuais níveis são os mais elevados desde 2018.

“Agora que o objetivo dos US$ 10,00 foi atingido, todos de olho na pressão sazonal da colheita no Centro-Oeste americano”, explica Steve Cachia, consultor de mercado da Cerealpar. Assim, os traders não desviam suas atenções também em relação ao clima no Corn Belt para a conclusão da safra, principalmente de soja, dos EUA.

Do mesmo modo, as condições de clima no Brasil também são monitoradas muito de perto. A nova temporada começa com a falta de chuvas ainda no coração da produção nacional, porém, com previsões indicando a volta das precipitações no final de setembro.

No paralelo, a demanda é acompanhada também e com o mercado inserindo em seu andamento as preocupações com a relações entre China e Estados Unidos. Pequim e Washigton continuam acirrando suas tensões, porém, a nação asiática também continua fazendo compras consideráveis no mercado americano dada a sua demanda muito forte. Somente nesta semana, a China já comprou mais de 300 mil toneladas.

“A China continua comprando, mas a OMC decretou como ilegal ontem, tarifas impostas pelos EUA sobre a China. Com tudo isso, é provavel que o mercado volte a ter direção incerta, esperando para ver quem das duas superpotências vai dar o próximo passou na guerra comercial e em qual direção”, completa Cachia.

*Notícias Agrícolas

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.