Domingo, 23 de Janeiro de 2022
Telefone: (54) 3383.3400
Whatsapp: (54) 99988.1290
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
37°
24°
28°C
Espumoso/RS
Tempo nublado
Ao Vivo:
Bom Dia Líder

Produtor receberá incentivo para melhorias de solo no RS

Produtor receberá incentivo para melhorias de solo no RS
18.11.2021 07h26  /  Postado por: Roger Nicolini

O produtor rural gaúcho passará a receber incentivos para melhorias nas condições de solo no Rio Grande do Sul. A chamada Operação 365, desenvolvida da parceria entre Banrisul, Cooperativa Central Gaúcha Ltda (CCGL) e Embrapa Trigo, pretende permitir melhorar a qualidade do solo e o sistema produtivo gaúcho através de investimentos e suporte técnico que garantam a qualidade química, física e biológica dos solos agrícolas.

Um dos objetivos do programa é cobrir o solo da produção gaúcha durante todo o ano, investindo nas culturas de inverno e plantação entre safras. Segundo um estudo da assessoria econômica daFederação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), durante o inverno de 2019 no Estado, se produziu apenas 9% (2,3 milhões de toneladas) do que foi colhido no verão do mesmo ano (24,2 milhões de toneladas). De acordo com este mesmo estudo, existe capacidade para se atingir uma produção, no inverno, de 45% do que foi produzido no verão – o caso de 2019, se chegara a quase 10,9 milhões de toneladas.

Assim, é possível elevar a produtividade das lavouras, mitigar riscos climáticos e maximizar a rentabilidade das propriedades rurais. Para isso, estão sendo qualificados assistentes técnicos que assistem os produtores rurais, para que sejam certificadores de talhões agrícolas de excelência quanto ao uso de boas práticas de manejo. Os talhões certificados pelo programa recebem um selo, conforme o nível de excelência em manejo do solo e das culturas.

A qualidade dos talhões será classificada em três níveis, de acordo com a aplicação no Índice de Qualidade no Manejo (IQM). Um IQM de 7 até 7,99, com permissividade para até dois indicadores abaixo do nível crítico, receberá a classificação Gold. O IQM de 8 a 8,99, com permissividade para apenas um indicar, receberá classificação Platinum. IQM a partir de 9, sem nenhum indicador de baixo nível crítico, receberá classificação Black.

Uma vez certificado, o produtor estará apto a receber incentivos, via financiamentos do Banrisul, para que permaneça implementando as melhores práticas de produção agropecuária.

Durante o evento de lançamento da iniciativa, no Espaço BanriTech, em Porto Alegre, esteve presente a secretária da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Silvana Covatti, que enfatizou que o governo do Estado é parceiro no apoio às ações que impactam de forma benéfica as propriedades rurais e que são positivas do ponto de vista ambiental, econômico e social. “O produtor rural gaúcho é sedento por novas tecnologias, conhecimentos e melhorias e nós, enquanto Estado, temos o compromisso de colaborar com estas iniciativas e ajudar a buscar soluções que reflitam neste setor que gera o maior PIB do Rio Grande do Sul”, destacou.

Com capilaridade junto aos produtores, o Banrisul apoia as medidas. “Nosso principal objetivo é melhorar a qualidade do solo e preparar o agronegócio para enfrentar as intempéries climáticas e o estresse hídrico. O Banrisul apoiará os produtores gaúchos que necessitarem de financiamento para essa finalidade. É uma operação que envolve a instituição financeira em uma parceria que tem respaldo técnico de excelência, por meio da Embrapa Trigo e da CCGL”, afirmou o presidente do Banco, Cláudio Coutinho.

De acordo com o presidente da CCGL, Caio Vianna, a Operação 365 busca ampliar a produtividade, utilizando os ativos econômicos que já estão no campo. “Às vezes, por não adotar certas práticas agrícolas, o produtor não atinge todo o potencial que sua propriedade possui. Por isso, é tão importante unir o manejo e práticas sustentáveis, com utilização racional da água. Temos comprovado, em levantamentos feitos, que o Rio Grande do Sul possui áreas que produzem de 30% a 40% a mais, mesmo em anos de seca. Mas isso só ocorre quando se adotam as práticas mais adequadas”, destacou.

A ciência e a tecnologia dão respaldo para esses avanços, conforme o presidente da Embrapa Trigo, Jorge Lemanski. “O manejo errado do solo causa uma queima elevada de carbono por hectare. Por isso estamos promovendo a interação entre crédito, fomento e conhecimento técnico. O Banrisul tem expertise no atendimento às necessidades do agronegócio e também está inserido em um hub de inovação. Só assim alcançamos produtividade com sustentabilidade. A Embrapa tem compromisso com a agenda ambiental e estamos felizes com essa parceria e a iniciativa privada também está convidada a fazer parte destas soluções”, disse.

FONTE E FOTO: JORNAL DO COMÉRCIO

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.