Quinta-feira, 04 de Junho de 2020
Telefone: (54) 3383.3400
Whatsapp: (54) 99988.1290
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
20°
16°C
Espumoso/RS
Tempo nublado
No ar: Show da Manhã
Ao Vivo: Show da Manhã
Política

STF suspende transferência e decide manter Lula em Curitiba

07.08.2019 20h06  /  Postado por: Roger Nicolini

Por 10 votos a um, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (7) suspender a transferência do  ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para uma penitenciária de São Paulo. Assim, o petista permanece na sede da Superintendência da Polícia Federal, emCuritiba, onde está detido desde abril de 2018.

A Corte analisou um pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  A decisão vale até a 2ª Turma da Suprema Corte julgar os pedidos de suspeição de Sergio Moro — o que ainda não tem previsão para acontecer.

Relator do caso, o ministro Edson Fachin atendeu ao pedido da defesa do ex-presidente e suspendeu a sua transferência para uma penitenciária em São Paulo. Fachin concedeu uma liminar para impedir a transferência ou, caso ocorra, para que Lula vá para uma Sala de Estado Maior -em razão de sua condição de ex-presidente da República.

Em seguida, o plenário do STF começou a votar se referenda ou derruba a liminar de Fachin. Nove ministros do tribunal votou acompanharam o ministro. Apenas Marco Aurélio divergiu do relator. Ele defendeu que não é competência do STF analisar o pedido e que o caso deveria ser submetido ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

A análise entrou às pressas na pauta do plenário desta tarde porque o presidente da corte, ministro Dias Toffoli, apresentou a petição de Lula para ser julgada imediatamente -no jargão jurídico, o magistrado levou o caso em mesa.

Pedido de liberdade

No pedido de liberdade, os advogados pedem que seja concedida liminar garantindo a soltura do ex-presidente, mas também solicitam que seja impedida a transferência do petista para São Paulo — autorizada pela juíza federal do Paraná Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba. Caso não seja possível impedi-la, os advogados pedem que Lula fique em uma cela de estado-maior na penitenciária.

Mais cedo, a defesa de Lula pediu ao ministro do STF Gilmar Mendes que interrompesse a transferência, em uma petição com três hipóteses: soltura, suspensão da transferência ou garantia de sala de edtado-maior na penitenciária de Tremembé.

Gilmar Mendes repassou à presidência do STF, atualmente ocupada por Dias Toffoli, a decisão sobre o assunto, uma vez que não é o relator do caso. No final de junho, Mendes defendeu que Lula fosse solto, aguardando em liberdade o julgamento de um recurso da defesa que alegava parcialidade do então juiz Sergio Moro, que o condenou a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá. Moro assumiu o ministério da Justiça e da Segurança Pública no governo Bolsonaro, argumento principal para a defesa alegar parcialidade.

A tese de Gilmar Mendes, entretanto, foi derrotada na segunda turma do STF, mas as alegações de parcialidade não foram julgadas. Na manhã desta quarta-feira (7), a Justiça Federal do Paraná autorizou a transferência de Lula para a penitenciária de Tremembé, em São Paulo, o que é contestado pela defesa.

Fonte e foto: Gaúcha ZH

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.