Sábado, 01 de Outubro de 2022
Telefone: (54) 3383.3400
Whatsapp: (54) 99988.1290
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Parcialmente nublado
20°
11°
13°C
Espumoso/RS
Parcialmente nublado
Ao Vivo:
Geral

Tráfego de veículos pesados é liberado na ponte que liga o Brasil à Argentina; trânsito segue na modalidade pare e siga

Tráfego de veículos pesados é liberado na ponte que liga o Brasil à Argentina; trânsito segue na modalidade pare e siga
19.09.2022 14h25  /  Postado por: Mirele Caldas

A passagem de veículos pesados sobre a ponte que liga o Brasil à Argentina, no km 725 da BR-290, em Uruguaiana, na Fronteira Oeste, foi liberada na manhã desta segunda-feira (19), conforme o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Caminhões e ônibus estavam proibidos de trafegarem pelo local desde sábado (17), em função de problemas estruturais.

bloqueio parcial do trânsito na ponte teve início na sexta-feira (16) à noite. Desde então, a travessia estava ocorrendo em meia pista, na modalidade pare e siga, somente para veículos leves. Em nota, o Dnit informou que análise preliminar de seus técnicos apontou que houve “um rompimento da viga transversina em seu balanço, resultando também no colapso da laje, por conta do deslocamento do esforço da estrutura”.

Para liberar a passagem de caminhões e ônibus, o órgão realizou um “escoramento na estrutura”, que foi concluído no domingo (18). Nesta manhã, foram feitos testes no local, possibilitando a liberação de veículos pesados também no sistema pare e siga, pela pista do lado esquerdo, no sentido crescente. Mas técnicos do departamento seguirão monitorando a situação constantemente, conforme o texto.

Segundo orientações do Dnit, o fluxo na ponte deve ser controlado, a 20 km/h, com espaçamento de 100 metros entre um veículo e outro. O órgão também recomenda que não se forme retenção de caminhões e ônibus no local.

Ainda nesta segunda, um especialista em estruturas deve realizar uma vistoria no local. Com isso, será possível ter mais precisão das causas do rompimento e, assim, começar “os serviços de recuperação da laje, viga e o reforço dos pilares”, projeta o Dnit.

GZH

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.
Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
CONCORDO