Quinta-feira, 06 de Outubro de 2022
Telefone: (54) 3383.3400
Whatsapp: (54) 99988.1290
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Chuva
26°
17°C
Espumoso/RS
Chuva
No ar: Voz do Brasil
Ao Vivo: Voz do Brasil
Notícias

Cobertura vacinal despenca nos últimos dez anos, e pólio volta a ameaçar o Brasil

Cobertura vacinal despenca nos últimos dez anos, e pólio volta a ameaçar o Brasil
13.08.2022 10h44  /  Postado por: Mirele Caldas

Nos últimos dez anos, a cobertura vacinal da poliomielite caiu de 96,5% (2012) para 61,3% (2021), um dado que acende o sinal de alerta, especialmente no momento em que a doença é detectada em alguns países.

Dados do DataSUS (Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde) mostram que, até sexta-feira (12), o patamar de crianças vacinadas contra a pólio – uma doença grave e sem cura – não chegava nem a 50%.

“É importante contextualizar que, no passado, a pólio era uma doença extremamente grave, matava as pessoas, deixava as crianças com paralisias e sequelas para o resto da vida”, lembra o pediatra, diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações) e da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), Renato Kfouri.

O último caso da doença por aqui foi em 1989. Em 1994, a OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou a erradicação da doença no Brasil. Mas, seguiu endêmica – com surtos frequentes – no Paquistão e no Afeganistão, na Ásia.

Neste ano, já foram encontradas amostras do vírus nos esgotos de Nova York, nos Estados Unidos, e de Londres, no Reino Unido. Além isso, Israel e Malawi, na África, confirmaram casos da doença.

A infectologista e consultora de vacinas do Delboni Medicina Diagnóstica, do grupo Dasa, chama atenção para a circulação do vírus.

“Vivemos no mundo de uma forma globalizada e, quando menos esperamos, podemos ter a reintrodução de um vírus que não circulava aqui no Brasil”, ressalta.

Pouca vigilância epidemiológica e ambiental

Em 2021, a OMS colocou o Brasil ao lado do Haiti e da Venezuela como um país de grande risco da reintrodução da doença. Além da baixa cobertura vacinal, a explicação para estarmos na mesma condição de vizinhos menos desenvolvidos passa pela falta de vigilância ambiental e epidemiológica.

“O Brasil tem uma baixa vigilância ambiental, tem uma baixa vigilância de paralisias flácidas e baixa cobertura vacinal. É um convite para a gente ter pólio aqui, demorar para reconhecer, e ela já estar alastrada”, destaca Kfouri.

A vigilância ambiental, a qual o médico se refere, é justamente feita a partir da coleta e análise de amostras de esgoto, em que é possível detectar o vírus e atestar a circulação dele em uma comunidade.

A infectologista concorda e completa: “O grande problema da poliomielite, como ela circula de uma forma que as pessoas não conseguem reconhecer facilmente, pode atingir alguém que não recebeu a vacina, e ela pode ter a doença na forma paralítica e ficar sequelada para o resto da vida”, pontua Maria Isabel.

O que é a poliomielite?

A poliomielite é uma doença causada por enterovírus, infecta inicialmente a nasofaringe, leva a um quadro de infecção intestinal e, na maioria das vezes a recuperação, é rápida.

Menos de 1% dos infectados terá as formas mais graves, chamadas de paralítica. Nela, o vírus acomete a musculatura, em geral de membros inferiores de um lado só, e a pessoa ficar com sequela para o resto da vida.

“É preocupante a possibilidade de termos pessoas que não tomaram a vacina, em um esquema que é tranquilo, seguro e podem ter uma doença que vai deixá-las com um problema sério para o resto da vida”, afirma a infectologista.

Por que as pessoas deixaram de vacinar as crianças?

Os motivos da queda da adesão às vacinas, principalmente em um país do tamanho do Brasil são muitos e é possível ver a diferença de comportamento com os dados do DataSUS.

Por exemplo, em 2021, a região Norte teve cobertura a menor cobertura: 53%. Em seguida, aparecem Nordeste (54,5%), Sudeste (63,8%), Centro-Oeste (65,8%) e Sul (72,2%).

“São várias causas em várias diferentes localidades, mas como pano de fundo de tudo isso, como causa comum a todos os locais, existe a baixa percepção de risco. As vacinas fazem sucesso porque eliminam as doenças, e as pessoas já não se sentem ameaçadas. É percepção do risco que nos move em direção à prevenção”, explica Kfouri.

A infectologista Maria Isabel completa: “Não temos muitos casos de doenças, as pessoas não têm medo do que não veem.”

A comunicação sobre a doença e a disponibilidade de vacinas no SUS são fundamentais para fazer com que o Brasil atinja novamente índices ideias de imunização contra a pólio –  superiores a 90% de adesão.

“Precisamos continuar motivando e explicando a vacinação mesmo sem as pessoas conviverem com a doença. Isso também vale para o profissional da saúde. Os jovens profissionais que também não tratam, não cuidam, também não recomendam de maneira enfática, como recomendávamos há décadas, que cobrávamos o calendário em dia”, salienta Kfouri.

Campanha nacional de vacinação

O país está em meio a uma campanha de vacinação contra a doença que vai até o dia 9 de setembro. Para ser considerada imunizada, uma criança precisa receber cinco doses da vacina, sendo três no primeiro ano, uma com 1 ano e três meses e reforço aos quatro anos.

Além da pólio, estão sendo oferecidos todos os imunizantes que fazem parte do calendário nacional do PNI (Plano Nacional de Imunizações), para crianças e adolescentes de zero a 15 anos.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.
Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
CONCORDO