Sábado, 25 de Junho de 2022
Telefone: (54) 3383.3400
Whatsapp: (54) 99988.1290
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
15°
10°
10°C
Espumoso/RS
Tempo nublado
No ar: Música, Informação e Esporte
Ao Vivo: Música, Informação e Esporte
Geral

Três casos suspeitos de hepatite de origem desconhecida são monitorados no RS

Três casos suspeitos de hepatite de origem desconhecida são monitorados no RS
16.05.2022 15h06  /  Postado por: Tânia Diehl

 O Ministério da Saúde (MS) investiga três casos suspeitos da hepatite aguda de origem desconhecida no Rio Grande do Sul. A informação foi confirmada no sábado (14).

A pasta ainda anunciou a criação de uma Sala de Situação para monitorar a doença no país. De acordo com o MS, 47 casos da doença foram notificados no Brasil até o momento em nove estados; destes , três foram descartados. Agora são 44 em análise.

Número de casos em monitoramento por Estado: 

  • São Paulo: 14
  • Minas Gerais: 7
  • Rio de Janeiro: 6
  • Paraná: 2
  • Pernambuco: 3
  • Santa Catarina: 3
  • Rio Grande do Sul: 3
  • Mato Grosso do Sul: 3
  • Espírito Santo: 1
  • Goiás: 1
  • Maranhão: 1

Casos descartados

  • Minas Gerais: 1
  • São Paulo: 1
  • Paraná: 1

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul (SES) ainda não informou os municípios onde foram identificadas as suspeitas, nem a idade ou quadro de saúde dos pacientes.

“O objetivo também é contribuir para o esforço internacional na busca de identificação do agente etiológico responsável pela ocorrência da hepatite aguda de causa ainda desconhecida”, disse a pasta por meio de nota.

São técnicos do MS,  da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e especialistas convidados que vão participar do monitoramento.

No mundo 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou, até a semana passada, 348 casos prováveis da hepatite misteriosa em cerca de 20 países.  Uma morte foi confirmada oficialmente pela OMS por causa da doença.

Os primeiros casos da doença foram reportados em 5 de abril, no Reino Unido, quando foram detectadas taxas mais altas de hepatite aguda do que o habitual. A doença acomete crianças e adolescentes entre um e 16 anos, e tem sintomas similares às hepatites conhecidas, mas sem a presença dos vírus clássicos.

Fonte: GZH

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.
Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
CONCORDO