Quarta-feira, 18 de Maio de 2022
Telefone: (54) 3383.3400
Whatsapp: (54) 99988.1290
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
10°
10°C
Espumoso/RS
Tempo nublado
No ar: Programação Musical
Ao Vivo: Programação Musical
Bom Dia Líder

Pediatra tira dúvidas das crianças a respeito da vacina contra covid-19

Pediatra tira dúvidas das crianças a respeito da vacina contra covid-19
17.01.2022 07h28  /  Postado por: Roger Nicolini

Em entrevista ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, na manhã desta sexta-feira (14), o chefe do Serviço de Pediatria do Hospital Moinhos de Vento, João Ronaldo Krauzer, respondeu a perguntas sobre a vacinação contra a covid-19. As questões foram feitas pelas próprias crianças.

O médico destacou, logo de início, que as vacinas são seguras para serem aplicadas nos pequenos, pois passam por uma série de testes e procedimentos de segurança antes de serem liberadas para a população. Ele observou que o imunizante da Pfizer foi utilizado em muitas crianças ao redor do mundo, que os efeitos adversos foram mínimos e que “ninguém morreu por tomar vacina, muito pelo contrário”.

Krauzer reforçou que a vacina ajuda o corpo a construir uma imunidade conta o coronavírus e que essa resistência não é feita imediatamente após a aplicação da primeira dose. Por isso, alertou as crianças sobre a necessidade de se construir um esquema vacinal completo e seguir com as medidas de prevenção.  O médico também explicou às crianças as diferenças entre as vacinas aplicadas por injeção e por via oral (as “gotinhas”). Ele destacou que a única vacina administrada por via oral para crianças, atualmente, é a do rotavírus, pois até mesmo a primeira dose conta a poliomelite deixou de ser feita desta forma. Segundo Krauzer, a forma de aplicação depende do tipo de doença e como ela age no organismo.

A previsão é de que o primeiro lote de imunizantes para a população de cinco a 11 anos de idade chegue ao Rio Grande do Sul no início da tarde desta sexta. A vacinação começa na próxima quarta-feira (19). Em um primeiro momento, apenas as crianças com comorbidades vão receber as doses, e somente aquelas que têm mais de cinco anos, pois os estudos foram conduzidos acima desta faixa etária. O pediatra encerra falando sobre a eterna discussão se deve-se ou não começar as vacinas pelas crianças.

 

FONTE: GAÚCHA ZH

 

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.
Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
CONCORDO